Músicas preferidas

Loading...

sexta-feira, 7 de maio de 2010

O mais Poderoso dos Mafiosos do Brasil....

O primeiro da lista... Apesar de constar na lista dos mais procurados pela Interpol

Eu vou me safar dessa, como sempre fiz... Uma graninha aqui, outra alí, resolve tudo...

E agente vai levando todo mundo no bico...
                Esperem pra vê meu Eleitorado Idiota!

Antes mesmo de ser aprovado, o projeto ficha limpa já fez uma primeira vítima. No Paraná, o deputado Jocelito Canto, do PTB, anunciou que sairá da vida política por conta do projeto. Com mais de 30 ações na Jutiça e algumas condenações em primeira instância, Jocelito resolveu desistir na mesma noite em que o texto-base do projeto foi aprovado pela Câmara, esta semana. Ainda é cedo para saber que outros efeitos além desse o projeto provocará. O texto é um grande avanço sobre a legislação que existe hoje, que faz com que políticos raramente sejam condenados (o Supremo Tribunal Federal nunca condenou um político sequer). Mas ressalvas à proposta original foram negociadas durante a tramitação do projeto, o que torna mais complexo analisar todo o seu alcance.

Para entender como o projeto funcionará na prática, o
Congresso em Foco analisou sete casos de políticos processados. Dentre esses sete conhecidos personagens que respondem a processo, um já estaria na mira do ficha limpa, o ex-prefeito de São Paulo Paulo Maluf (PP-SP).
 No final do mês passadoa, 7ª Câmara de Direito Público condenou Maluf a devolver aos cofres públicos o valor gasto com uma compra de frangos congelados supostamente superfaturada. As aves serviram para compor a merenda escolar das rede municipal de ensino. O deputado foi condenado ainda a perder os direitos políticos, o que já o impediria de concorrer nas próximas eleições.
Outras três sentenças não causariam problemas para o deputado. Em 2003, o STJ condenou o ex-prefeito a devolver R$ 1,2 milhão por contratar sem licitação a TV Globo para transmitir a Maratona de São Paulo realizada em 1995. Como se trata de uma ação popular, isso não valeria para barrar a candidatura de Maluf caso a lei da ficha limpa estivesse em vigor. Não valeriam a condenação de janeiro de 2010 – movida por uma ação popular no STJ, ela determina que Maluf devolva US$ 250 mil pelos contratos de pesquisa de petróleo na bacia do Rio Paraná – e a de novembro de 2009 – na qual a primeira instância da Justiça Paulista determinou que o deputado ficasse com os direitos políticos suspensos e pagasse R$ 14,7 milhões por serviços supostamente não realizados no túnel Ayrton Senna.
Tem mais!
O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) terá que devolver mais de R$ 300 milhões aos cofres públicos por desvios de verbas da construção de grandes obras em São Paulo, na época em que foi prefeito. A ação foi protocolada na Justiça nesta segunda-feira (3) pelo Ministério Público Federal no estado (MPF-SP). Para investigar o sumiço dos recursos, a promotoria levou oito anos e analisou aproximadamente 270 mil documentos para descobrir que a família do político escondia quase a metade do montante no exterior, sendo que o restante ainda não foi localizado. Cerca de R$ 330 milhões teriam sido desviados e mais de US$ 150 milhões percorreram 50 contas de diversos países, como Inglaterra, Luxemburgo e Suíça, para retornar ao bolso de Maluf. O dinheiro era utilizado em negócios de fachada em nome da empresa familiar do deputado, a Eucatex, em que foi identificada a lavagem de US$ 166 milhões, valor requerido pelo MPF. Para tanto, a promotoria abriu processo contra Paulo Maluf, a mulher dele, Silvya, os quatro filhos e uma ex-nora, além da Eucatex e instituições estrangeiras dos parentes. Quando começaram as acusações, o parlamentar chegou a utilizar a imprensa para se defender e provocar os desafetos. “Não tenho nenhuma conta fora do Brasil. Só tenho conta no Brasil. Vou dar uma procuração pública: quem encontrar dinheiro meu fora do Brasil, o dinheiro é dele”, disse à época. O MPF encontrou.
Será que ele se safa dessa?

Vamos torcer para que tudo seja verdadeiramente Limpo!