Músicas preferidas

Loading...

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Juízes e seus Cargos Vitalícios....

O crime contra a sociedade como um todo.....
 Isso é pra quem pode, e não pra quem quer...

O STF (Supremo Tribunal Federal) é o único poder antidemocrático do Brasil e o único que nas próximas décadas  impedirá o avanço do país contra a corrupção e a desigualdade social.
Há no STF um princípio antidemocrático e monarca, que não deixa de ser inconstitucional em uma democracia que se preze, que é a vitaliciedade. Os cargos vitalícios do STF constituem o que há de mais desprezível nos três poderes da república. É horrendo, imoral, arcaico e sufoca a democracia brasileira. As imagens do esquema de corrupção apontado pela Polícia Federal no governo de Brasília, protagonizado pelo governador José Roberto Arruda (ex-PSDB e ex-DEM) e seus deputados,  é a fina flor que cultiva o poder judiciário brasileiro.  Nós não precisamos só de reforma política, precisamos emergencialmente de reforma judiciária.
Os cargos vitalícios do Supremo instauram um desequilíbrio entre os poderes porque não há renovação, diferente do Executivo e do Legislativo, submetidos a escrutínio periodicamente.

Enquanto na iniciativa privada, as aposentadorias máximas, são pagas com os miséros R$3.380,00, é o teto máximo pago pelo INSS.
Renunciem às eleições de 2010 não indo às urnas.
Essa será a forma de acabarmos com todas essas maselas contra a sociedade brasileira.

Qual o Futuro das Eleições do GDF....

Será que a elite Brsiliense vai votar em Roriz?




Brasília é considerada a Capital com o maior índice de escolaridade no país.

Vejam índice abaixo!
A pesquisa aponta aumento no número de trabalhadores com segundo grau completo e nível superior, seguido da redução do analfabetismo; nível de escolaridade afeta no aumento dos salários pagos

Brasília - Trabalhadores de micro e pequenas empresas formais têm apresentado, a cada ano, um nível de escolaridade maior. Dados mostram que, entre os anos de 2002 e 2006, houve um aumento significativo de empregados com ensino médio e superior completo. Verifica-se também a redução do analfabetismo entre esses trabalhadores.

Esse cenário é apresentado no Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2008, encomendado pelo Sebrae ao Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Para formulação do levantamento foram utilizadas informações do Dieese, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Relação Anual de Informações Sociais (Rais), Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílio (Pnad), Ministério do Trabalho e Pesquisa do Emprego e Desemprego (PED) e Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Os números trazidos pelo Anuário sobre o grau de escolaridade são positivos. Em 2002, as microempresas do País registravam que 28% do total de empregados, 5.238.031, tinham segundo grau completo, o correspondente a 1.466.649 trabalhadores com esse nível de escolaridade. Já em 2006, essa proporção aumentou para 37,9%, de um total de 6.179.810 empregados, o que corresponde a 2.342.148 trabalhadores com segundo grau completo. 

Fonte : Agência SEBRAE de Notícias

Podemos constatar que, escolaridade não torna o cidadão num sujeito coerente. Convicto de seus anseios de mudanças realmente sérias na política brasileira.  pois quem votou em Arruda para Governador do GDF nas últimas eleições, demonstrou  irracionalidade em colocar um Político corrupto, Sínico e malandro no comando do Distrito Federal.
Mas apostamos que essa irracionalidade venha a ocorrer em escolhas , onde Roriz venha a ser mais uma vez Governador, mesmo tendo no Judiciário, vários processos contra sua gestão como Ex governador do GDF,
O povinho pra gostar de corruptos, nossos Intelectuais brasilienses... Dotados de cultura, escolaridade, mas sem nenhuma memória histórica.
Que tal  colocarem o Sr. José Sarney como Governador de Brasília, já que seu reduto eleitoral no maranhão foi estrangulado, tendo ele que se eleger pelo amapá. 
Quem sabe Sarney não acabe com os desmandos da corrupção no GDF.
Vale a pena tentar, vocês não acham?

O Sociólogo em Decadência...

Serei Eu um Intelectual de fato!!!!



FHC: o neoliberalismo dos Jardins
 
O tamanho da vaidade de FHC parece ser o maior adversário de seus correligionários de partido e ex-colegas de governo, que tentam esconder ele e seu governo. Ele não agüenta ver seu governo atacado e não contar com ninguém que o defenda – como aconteceu no segundo turno de 2006. Se deram conta que aceitar a comparação entre os dois governos – o de Lula e o de FHC – é o caminho seguro da derrota. Não convidaram FHC para a cerimônia de saída de Serra do governo de São Paulo, o excluíram do lançamento da candidatura presidencial e pretendem mantê-lo – ele e seu governo – fora da campanha, conscientes de que ele é o melhor promotor da campanha da Dilma.
Tem razão os que o querem esconder. Ele saiu do governo derrotado, fracassado, tornou-se o político de maior rejeição, não se atreve a candidatar-se a nada, cada vez que fala, o apoio ao governo Lula e à sua candidata aumenta. Às vezes quer retomar um ar de intelectual, que ele um dia foi, mas as besteiras teóricas que diz ganham um ar empolado, passando a ser besteiras empolada
Agora pretende alertar sobre o risco do Brasil se tornar uma China. Claro, para quem tentou abolir o tema do “desenvolvimento”, o crescimento chinês é um acinte. Para quem acreditava que já havíamos chegado a um tal nível de desenvolvimento econômico – tomando o capitalismo dos Jardins paulistanos -, bastaria eliminar o desenvolvimento e colocar no seu lugar a “estabilidade”. Para quem está por cima, poderia ser bom parar onde estavam. Danem-se os “inimpregáveis”, segundo suas próprias palavras, a grande massa pobre e miserável, para quem nunca pretendeu governar.
Esse é o Homem intelectual, Sociólogo, que quis governar não para uma nação, mas sim, para uma Elite de banqueiros e empresários, que hoje vive das contribuições milionárias depositadas em suas contas nos paraizos fiscais....
Um verdadeiro intelectual corrupto e hoje, patético nos bastidores sombrios, jogado às traças e  baratas.